Utentes

Quando a Ansiedade se transforma numa Doença

Dr. Miguel Botelho

A ansiedade é uma sensação normal e tem um papel muito importante na nossa vida. Surge em inúmeras situações ou circunstâncias do nosso dia a dia.

Quando a Ansiedade se transforma numa DoençaAparece quando nos preocupamos com a segurança dos nossos filhos e redobramos logo a atenção, quando pensamos na nossa própria segurança e evitamos expor-nos a situações de risco, quando temos medo de algo e fugimos logo perante essa situação perigosa (por exemplo um fogo, ou com um ladrão que nos vai assaltar, etc.), enfim, a ansiedade, que aparece logo a seguir a situações perfeitamente identificáveis, ajuda-nos a lidar com elas, e acaba por desaparecer logo a seguir.

Estando presente em todos os seres humanos é, também, perante diferentes circunstâncias da vida, que ela pode manifestar-se de diferentes maneiras. Desde a simples inquietação, até a uma angústia, ou mesmo pelo terror. E às vezes, acaba por se manifestar duma forma anormal, transformando-se numa doença a tempo inteiro.

Fobias, ataques de pânico, obsessões compulsivas são alguns exemplos disso: aprenda a reconhecer as diferentes formas de ansiedade patológica.



Quando é que a Ansiedade se torna patológica?

:: Em algumas pessoas, a ansiedade acaba por se manifestar duma forma anormal, e com regularidade: ou é um estado de ansiedade permanente, sem razão nenhuma aparente, que está instalada, ou porque a intensidade e o tipo de respostas face à situação vivenciada estão bastante desadequadas.

:: Ansiedade, do latim angere, significa oprimir, fechar a boca. Torna-se sintoma psicopatológico quando paralisa a actividade normal ou o quotidiano duma pessoa, ou quando tende para o seu aniquilamento. Estamos, portanto, perante quadros de ansiedades patológicas.


As causas são várias

:: A ansiedade é um produto do estado de desamparo psíquico vivido, reproduzido no decurso do desenvolvimento, e experienciado várias vezes, ao longo da vida. Pode, entretanto, transformar-se e evoluir para quadros de ansiedade patológica, sendo as causas as mais diversas, geralmente encobertas por aspectos associados a outras perturbações mentais. A ansiedade distingue-se em 5 grandes quadros principais:
- ansiedade generalizada
- fobias
- perturbação obsessivo-compulsiva
- ataques de pânico
- stress pós-traumático





Comentários dos utilizadores

Aí tens o meu email Jorge, no comentário abaixo! Acho que disseste tudo principalmente a questão do modo de bloqueio ou automático como tu o chamaste.

Foi com muita atenção que li este artigo e todos os vossos comentários! Em breve explicarei o meu caso que é 95% semelhante aos que estão aqui. Vou adicionar algumas pessoas que introduziram aqui o email e deixar também aqui o meu. A ansiedade é muito má, a sensação de impotência mental e física que nos percorre.. bem nem vale a pena descrever, porque a maior parte de vós já o fez tão bem e só mesmo quem passa por isto é que sabe.. e constantemente pensa, ao olhar todos os dias para as pessoas à sua volta na rua, eu era assim tão alegre, brincalhão, calmo e nada se intrometia no meu caminho, sempre com bastante auto-confiança e de repente parece que desaparece tudo (claro que nca desaparece tudo), a ansiedade consome-nos e leva-nos a pensar 'nela' o tempo todo, até nas horas em que precisamos de estar mais concentrados, como no trabalho... Enfim. Sou o André e tenho 25 anos. O meu email é ajcabrita@gmail.com Gostava muito de poder vir a contactar com mtos de vcs e principalmente uma rapariga que se chama SARA MARGARIDA porque identifiquei-me mto com o depoimento dela.

Para aqueles que pensam que são únicos a ter crises de ansiedade importa dizer-lhes que, na minha experiência, na de todos os que já aqui postaram e nos que se preferem manter no anonimato, é um pensamento totalmente errado e que deve ser combatido. A minha história começou logo quando andava na Escola Primária e marcou-me até aos dias de hoje, já com 28 anos. Aprendi a lidar com essas crises e estou bastante melhor, mas posso partilhar com vocês que tive momentos extremamente complicados, tanto na escola, na rua, como na minha própria casa. Os sintomas eram inúmeros: falta de ar, tonturas, vibração na cabeça, perda de noção do espaço (principalmente nos momentos em que as professoras me colocavam questões durante as aulas. Deixava de raciocionar, parecendo mesmo que entrava em modo automático, sem saber o que estava a dizer). Pensei muitas vezes que ia morrer. Melhorei bastante com o passar dos anos mas entretanto surgiram-me novas crises: uma vez estava preparado para ter sexo com uma rapariga que tinha conhecido no dia anterior e, para meu espanto, perdi a erecção. Foi a primeira vez que me aconteceu e, como vocês sabem, basta acontecer uma vez para recearmos que nos aconteça novamente. E claro que voltou a acontecer. Hoje percebo que só perco a erecção com raparigas com quem nao tenho confiança, porque depois de as conhecer e de CONVERSAR com elas fica tudo bem. Podia ficar a escrever a noite toda sobre ansiedades mas penso que já ter dito o suficiente para saberem que não estão sós nas vossas crises. Temos que FALAR com pessoas amigas ou psicológos para nos livrarmos delas, só assim podem ser controladas ao ponto de não nos afectarem no dia-a-dia. Eu podia ser uma pessoa depressiva mas não escolhi esse caminho, penso sempre da forma mais positiva apesar de, por vezes, as coisas não acontecerem como eu desejo. PARTILHEM os vossos problemas, acreditem que acabam por melhorar significativamente! E lembrem-se de uma coisa muito importante: voces não estão sós! Muita força para todos. PS: se quiserem DESABAFAR comigo deixem-me o vosso mail ao postarem neste site. Terei todo o gosto em ajudar-vos. Jorge.

Fiquei muito contente de ter encontrado este site. não sabia que havia tanta gente com o mesmo problema que eu. a verdade é que este problema alterou completamente a minha vida. a minha primeira crise foi aos 18 anos. Mais concretamente quando entrei para a faculdade. Entrei para medicina veterinária numa cidade que não era a minha. Começei a ter crises de ansiedade.quando ia as aulas tinha que sair.e deixei de conseguir ir por completo. ia para a faculdade e tinha crises de ansiedade tão grandes que levavam a crises de panico. chorava chorava chorava.e nem arrastada ia para as aulas.isolava-me até que desisti do curso. Desde que voltei para a minha cidade natal(pensei que o meu problema ia ficar resolvido voltando), que continuo com isto. :( Gostava de sair, ir ao cinema, e agora evito ao máximo essas coisas.

Ola tenho 17 anos e sofro de ansiedade. Tudo começou quando tinha 12 anos comecei a consumir haxixe e sentia me bem ate que aos 15 anos (no dia 08/04/2007) no fim de fumar um charro comecei a ter tonturas vontade de vomitar..etc.. andei assim durante 6meses só saía de casa para ir para o hospital corri vários médicos e não me sabiam dizer o que tinha foi então que o medico de família reencaminhou me para uma psiquiatra fui as sessões e comecei a perceber mais ou menos o que tenho. Eu era um rapaz divertido,adorava sair com os amigos,ir a uma discoteca,conhecer gente nova, mas depois daquele dia mudou tudo ja tive muitas crises em que sinto dificuldade em respirar uma sensação esquesita no peito vómitos muitas veses vomito pernas e braços adormecidos tonturas sensaçao que vou murrer choro a gritar que quero morrer qundo tou numa crise, ja pensei em me suicidar mas não consigo faze-lo tou medicado com um medivamento que se chama amprazolam e desde que o tomo sintome melhor a minha psicologa ja disse para eu o deixar mas tenho medo e não o deixo. A ultima crise foi a 2meses e uns dias tenho me sentido melhor mas sempre com receio que me volte a dar uma crise tenho fe que isto vai desaparecer para sempre mas de vez em quando tenho tremores suores e tonturas mas quando isso acontece como qualquer coisa e isso passa, entao como varias vezes ao dia para que não sinta isso. E complicado explicar quase que e impossivel explicar so quem passa por isto e que sabe. as melhoras a todos lutem contra a ansiedade não a deixem mandar em voces. se quiserem falar o meu e-mail é hugo_johncena@hotmail.com

Olá a Todos! Sou o Nelson e tenho 19 anos, fico contente por encontrar este site, pensava q era só eu q vivia neste mundo da ansiedade, que é um sentimento horrivel que so quem o tem é que sabe. Começou por me dar apertos no peitos, ataques de panico, taquicardia, e ainda hoje vivo com essas sensações, ja n sei o que fazer , e pior que isso estou com uma depressão enorme, n sei se resultou da ansiedade n faço ideia de como vim bater a este caminho!

Olá, sofro de ansiedade patalógica e confesso, tenho medo de morrer disso, por que sinto palpitações, coração dispara e acreditem tomo água com açucar e fico boa das palpitações e aceleramento do coração na mesma hora, a fase que estou no momento é essa por que já tive pior. Com o tempo vc tipo se acostuma com a situação e aprende a lidar com o problema não que hoje seja fácil mas aprende -se a conviver, tenho fé no meu senhor Jesus que ele vai me curar e não sentirei mais.

Olá a todos, depois de ter lido o artigo e de ler os vossos comentários, confesso que nao sabia que havia tanta gente na mesma situação que eu. Neste momento tenho 23 anos a caminho dos 24, a primeira vez que tive uma crise de ansiedade foi aos 18 foi horrivel, nao vou falar o que senti pk acho que todos nós sabemos. Mas acreditem que passei por coisas horriveis e corri tudo mesmo para saber o que realmente se passava cmg. Como a maioria de voces eu tmb tenho saudades da pessoa que eu era, pk era divertida, simpatica, mto brincalhona, adorava sair com os meus amigos, namorava enfim essas coisas todas, depois qd comecei a ter frequentemente e vrias vezes por dia estas crises pensei mesmo que estava condenada a morte. S´quem passa por isto é que sabe dar o devido valor. Mas com o apoio da minha familia e amigos tem sido uma grande ajuda. Mas se não formos nós proprios a fazer alguma coisa, se n formos nos a lutar por ter uma qualidade de vida mehor entao n é + ng. Eu tive que desistir varias vezes da escola pois n me sentia bem. ate que comecei a ir trabalhar. E ate no trabalho me sentia assim mas msm assim ia lutava tdos os dias, até que pensei para mim msm que trablhar com 18 anos e so ter o 9 ano nao era isso q eu queria e sentia me super triste pk sabia que os meus amigos estavam na escola e eu tmb queria estar n so por eles mas sim mais por mim. queria mesentir realizada cmg msm. E assim foi disse á minha mae que queira ir esrtudar novamente ela ficou um pouco de pe atras pois sabia que provavelmente eu iria desistir mas eu disse lhe que desta vez e q era, entao fiz um pacto com a minha mae ela deu m um ano de estduo para msotrar o q valia e assim foi tive foi o ano mais dificil para mim mas conseui estive o ano todo e ainda assim passei de ano e com excelentes notas, ,mas continuava a ter as vezes crises ate q mudei de psicolga e esta ultima q tive para mim eu n a vejo como medica mas sim como uma amiga por isso na altura q ia ás sessoes era uma diverção claro q as vezes ia mto mal para la mas qd saia de la saia mto melhor e mais aliviada e com mais esperança. Olhem q já sofri mt mas sou uma vencedora pois neste momento tmb ja estou a tirar a carta para depois conduzir :D tmb j a estive a traablahr mas neste momento tou so virada para a escola. Estou mto feliz, ja nao tenho crises de ansiedade desde o verão passado e deixei a psicolga em novembro de 2008. mas uma coisa e certa continuo com sintomas isso vai m acompnhar para a vida toda mas ja sei como enfrentar a situação. Mas por vezes n e pera doce e qd estamos mais para baixo ainda pior. Mas nao desenmiem, tudo tem solução pode n ser como nos queremos mas um dia mais tarde e q percebemos. O que eu quero dizer com isto é que por mais que sofram, e eu sei bem que custa, tem de ir á luta enfrentar pk n é a ficar em casa q vao resolver alguma coisa. E eu falo pk estive o meu primeiro ano em q me apareceu estas crises sempre em casa so saia de casa com a minha mae ou irmao. e n dormia sozinha , nem ia a casa de banho sozinha, eu tinha q estar sempre acompnhada por causa do medo. era horrivel mas tento n pensar nisso e levar a vida da melhor meneira. Por isso mto força para vcs e se alguem quiser falar sobre este assunto podem me adicionar rcauxa@sapo.pt. fiquem bem.

Olá a todos! Fiquei muito feliz por ter "encontrado" este site, nomeadamente este artigo, pois ajuda-me a perceber melhor aquilo que comecei a sentir ha cerca de uma mês... Comparado com muitas destas pessoas que aqui comentaram, um mês não é nada... De um momento para o outro comecei a sentir-me aflita com uma ligeira falta de ar e só pensava que ia morrer... N centro de saude disseram que é ansiedade, pois fiz diversos exames médicos e a nível cardiaco está tudo bem... Ando medicada com medicação de extractos naturais de valeriana e um calmante que tomo so de manha. Tenho dias normalíssimos, onde me sinto como se não tivesse nada, mas de um momento para o outro (como foi o caso de hoje)estes sintomas voltam e a única solução é procurar uma actividade/ocupação. Penso que o problema, no meu caso, teve origem no facto de estar desempregada quase há um ano e nem sempre é facil lidar com esta situação. Sempre fui uma pessoa muito extrovertida e, quando estou "em crise" torna-se muito complicado... Gostava que me dessem algumas dicas de "auto-ajuda" para estes casos... Cumprimentos a todos, obrigada

Tenho 17 anos e desde os 16 que sofro deste problema horrivel!! Nao percebo a causa disto e o pior e que deixei de ser tao alegre e de fazer as coisas que gosto e ser realmente feliz e acima de tudo viver que e o que gosto bastante. Quando me acontece isto o meu maior medo e morrer e perder as pessoas de que gosto. :(

Tenho 26 anos e a dois anos para ca foi-me diagnosticado sindrme de panico.Tenho saudades do que era e tenho horror do que me tornei. Hj em dia deixo de fazer akilo que gosto simplesmente por ter medo. E dificil definir o que sentimos, mas ao ler os vossos depoimentos vejo qie nao estou sozinha. Muitas vezes tenho dificuldade em me controlar. vou começar a fazer psicoterapia, espero que resulte.

Sou o Domingos tenho 41 anos e sofro de ansiedade ha 11 anos...acredito no poder da auto cura e que com mta coragem e força de vontade levarei de vençida esta ´´coisa´´que se atravessou no meu caminho... conpreendo a vossa dor pois tambem eu sofro mas por favor nao se sintam uns coitadinhos.mta força para tdos e um bem haja.

Ainda bem que posso partilhar o que sinto...tenho 25 anos e tal como a maioria , era uma pessoa alegre, extrovertida e sociável. Os meus ataques de pânico começaram há 4 meses. Comecei com uma forte pressão na cabeça e nos ouvidos. O coração acelera muito, a tensão arterial dispara, sinto tonturas e tremores. É uma eterna sensação de desmaio embora nunca chegue a acontecer. Já fui parar ás urgências e ao centro de saúde muitas vezes e todos os médicos me falam do mesmo...síndrome de ansiedade!!! No entanto esta "doença" desencadeou muitas outras coisas...tornei-me hipócondriaca, medrosa, insegura...tenho medo de estar sozinha...medo de morrer...é horrível!!!É uma sensação de impotência inexplicável...gostava de conseguir controlar isto mas ás vezes a luta diária não chega...não gosto de medicamentos mas por vezes sou forçada a render-me...Obrigada

OLá a todos. Eu sou a Maria João, tenho 39 anos e desde que o meu pai faleceu que comecei com estes ataques de ansiedade, tenho medo de morrer...sei lá passam mil e um pensamentos pela cabeça. Mas acredito que a força para combater isto está dentro de nós e temos que ser mais fortes que esta "doença". Evito tomar medicação, mas tenho sempre à mão para as alturas mais problemáticas. Força a todas vocês e as melhoras. E dividir e falar já ajuda a tirar algum peso de cima. Obrigado

a tenho 18 anos e aos 17 anos sofri pela pela primeira vez de ansiedade os meus sintomas foram pessimos eu pensava que ir morrer tava toda a tremer a minha cabeça parecia que ia rebentar, nao consegui respirar meu coraçao sempre a bater chamei logo a minha mae para me levar ao hospital quando cheguei de madrugada no hospital deram-me logo entrada de urgente nao sabia o que se passava e tbm no hospital nao me disseram nad so me meteram um calmante debaixo da lingua e um electrocardiograma mas as crises desde ai nunca mais me paravam e cumeçaram a dar todos os dias e a minha reacçao era sempre ir para o hospital.sempre que tenho uma crise eu nao me consigo acalmar meus colegas ja me gozaram porque pensava que eu so fazia fitas.eu agr tenho que viver com isto que esta a ser um pesadelo na minha vida deixei de fazer muitas coisas que eu gostava porque tenho medo que me dÊ^uma crise e que ninguem esteja la para me ajudar.eu era uma miuda muito alegre,divertida,cumenicativa.agora ando sempre em baixo,nao nao falo com as pessoas e muito raro me divretir e tou sempre a pensar que me vou sentir mal.era uma pessoa que nao tinha medo de nada e agora ganhei medo a tudo. so queria ficar boa mas acho que isto nunca me vai passar.

Axei muito interessante e mt bem escrito o que dizem sobre esta doença.....n tinha muitos conheçimentos do que era....agora ja sei o que e que estou a passar.......obrigado!

Olá a todos. Também eu sofro de ansiedade uma "doença" que desconhecia totalmente, ou pelo menos, o modo como é exteriorizada. Tenho 20 anos e de há um ano para cá que sofro destes sintomas. Não gosto de lhe chamar doença, eu não me considero doente. Gosto de lhe chamar uma fase da vida. É verdade que sofro bastante quando estou ansiosa mas jamais irei deixar que isto derrote ou termine um ciclo tão bonito da minha vida. Neste momento nao estou medicada, evito a todo o custo tomar qualquer tipo de tranquilizantes, a verdade é que a cura para tal somos nos proprios e nao há melhor do que respirar fundo, concentrarmo-nos na nossa própria pulsação e acreditar que estamos bem e que nada vai acontecer. Acredito plenamente que vou ser ansiosa para o resto da vida mas se há uma coisa boa que tudo isto trouxe, é q todo o medo que sinto de perder os q me sao mais proximos ou a mim mesma faz me valorizá-los a todos e aproveitar cada pedaço do sorriso daqueles que amo e até do meu. Coragem a todos. Um beijo enorme, Lena...

Olá a todos. também estive a ler o vosso artigo, tenho 27 anos e desde os 15 que sofro com a ansiedade. também acredito que não tem cura mas que podemos ir vivendo com ela. Já dei entrada no hospital inumeras vezes devido á ansiedade. Uma delas estava a dormir e acordei com muita falta de ar e dor no peito tinha uma sensação terrivel que ia morrer, uma hora depois já não andava foi então que fui para o hospital quando lá cheguei já estava a ficar com uma parelesia no braço.A juntar a tudo isto tenho uma depressão. Acredito que temos de aprender a viver com a ansiedade pois eu sinto quando está para me dar uma crise. Neste momento não tomo nada para a ansiedade apenas quando as crises aparecem. Hoje vivo um dia de cada vez, mas sempre á espera da proxima crise. felicidades para todos vós. FÁTIMA

UM COMENTÁRIO PESSIMISTA Diz a certa altura que a perturbação da ansiedade não é nenhuma banalidade nem uma fatalidade. Discordo. É realmente uma fatalidade. Sofro deste tipo de pertubação desde os 20 anos. tenho 37 e ainda não encontrei a cura. Leio livros de autoajuda, já fiz psicoterapia, já tomei quilos de medicação. Optei nesta fase por deixar de tomar. não desejo mais sentir-me um zombie. Como se não bastasse tenho reacções - efeitos secundários intensos com a maioria das medicações. Confesso que hoje tenho receio de tomar um medicamento pelas reacções adversas que o meu organismo produz. É realmente frustrante não poder viver a vida plenamente, com a beleza que ela nos confere. Mas que fazer ... É A VIDA! Cura - sinceramente acredito que não exista. Mas mesmo assim, obrigada pelo positivismo do vosso artigo. Elsa

Boa Tarde Estive a ler o artigo sobre a ansiedade e na realidade é terrível. Nunca pensei que tal me fosse acontecer, pois sou por natureza uma pessoa alegre, extrovertida e de um momento para o outro comecei com muita falta de ar que pensei que ia morrer e fui a correr para o hospital. Não tinha nenhum conhecimento da doença "ansiedade" para mim era um estado normal e não provocava os terrores que senti, mesmo em férias quando supostamente estava relaxada. Tive todas as "doenças" esclerosa multipla, cancro.... pois tinha todos os sintomas. Neste momento estou medicada e graças a Deus estou bem, comecei a fazer dança de salão que ajuda imenso. Um bom tratamento é ter uma actividade. Tenho 40 anos e realmente nunca imaginei ter este tipo de problemas. Obrigada Maria José



Nota: Os Médicos têm que fazer login para pesquisar informação restrita.